O que é necessário para um projeto de segurança eletrônica? Descubra!

A criminalidade e a sensação de insegurança tiram o sono de muitos cidadãos de bem. Em contrapartida, as ações preventivas pontuais, como o cuidado ao sair de casa e ao andar por locais perigosos, não são suficientes para proporcionar a tranquilidade desejada.

Diante disso, contar com um projeto de segurança eletrônica em sua residência ou local de trabalho é fundamental para garantir uma defesa mais efetiva. Contudo, para alcançar a eficiência esperada, é importante estar atento a alguns detalhes durante a sua elaboração.

Neste artigo, veja quais são as práticas essenciais para assegurar a melhor proteção com o menor custo possível. Confira!

Análise das necessidades do cliente e diagnóstico de riscos

O primeiro ponto de análise para a elaboração de um bom projeto de segurança eletrônica é entender as necessidades do cliente e quais são os riscos que ele corre. Sendo assim, cada caso deve ser tratado individualmente.

Entre as principais características a serem avaliadas, estão:

  • rotina e volume de circulação do local;
  • quantidade de unidades residenciais ou comerciais, em caso de condomínios;
  • existência de itens de valor;
  • índice de criminalidade da região;
  • facilidade ou dificuldade de acesso ao local;
  • policiamento da região.

Essas informações ajudam a identificar detalhes como a necessidade de certos equipamentos e a melhor distribuição deles na propriedade.​

Indicação dos equipamentos eletrônicos necessários

Para garantir a máxima segurança possível, o uso de equipamentos eletrônicos é crucial. Novamente, a definição de quais e quantos devem ser instalados varia conforme o levantamento das informações do tópico anterior. Em geral, os mais utilizados são:

  • sistema de alarme;
  • controle de acesso (carros e pedestres);
  • CFTV (circuito fechado de televisão).

​Dentre eles, o CFTV merece destaque. A presença de câmeras de segurança ajuda a inibir a ação de criminosos e a identificá-los caso algum delito seja cometido.

O uso desse tipo de equipamento é fundamental para ter um projeto de segurança eficiente e completo. Existem diversas marcas disponíveis no mercado, como a Intelbras e a D-link, que são referência no segmento.

As câmeras podem ser analógicas, mas, atualmente, as mais utilizadas são as que contam com tecnologia IP. Além de produzirem melhores imagens, elas necessitam de menos infraestrutura e podem ser acessadas via internet. Inclusive, existem modelos que se integram ao sistema de alarme e, por meio de sensores de movimento, são ativados e começam a registrar e enviar imagens.

Detalhamento dos custos do projeto de segurança eletrônica

Por fim, é importante lembrar da parte financeira do projeto. As melhores soluções não serão aquelas que proporcionam total segurança, mas sim as que conseguirem oferecer a melhor relação custo-benefício.

Equipamentos de última geração e alta tecnologia são mais caros e podem ser desnecessários conforme o cenário. Entretanto, ao contar com equipamentos de qualidade, fica muito mais fácil garantir a eficiência do projeto de segurança eletrônica e, com isso, a satisfação de quem for se beneficiar dele.

Gostou deste artigo? Que tal aprender um pouco mais sobre o assunto? Então, conheça os principais desafios do mercado de segurança eletrônica em nosso blog.

Se quiser receber conteúdos como este diretamente em seu e-mail, cadastre-se na nossa newsletter.

Deixe uma resposta